A Vida de Maria Montessori

Por: M. Cristina Matos.

María Montessori nasceu em Chiaravalle, na Itália, no dia 31 de agosto de 1870, no seio de uma família burguesa católica. Desde que era uma criança, ela se mostra uma garota extrovertida e animada, com uma personalidade forte que rapidamente colide com as regras de sua escola. Apaixonada pelo teatro, que lhe promete um futuro brilhante, no entanto, de repente decide abandoná-lo, convencida de que tem de continuar a estudar. Por sua juventude, ela desenvolve um grande interesse pela religião e acredita em sinais, o que a levará a tomar decisões impulsivamente várias vezes ao longo de sua vida, sempre seguindo seu instinto e intuição.

 

María é uma mulher com um gênio e talento extraordinários, tem ideias muito à frente de seu tempo e tem que lutar para progredir em seus estudos em uma sociedade onde as poucas mulheres que estudaram o fizeram para melhorar sua cultura geral antes de casadas, ou no máximo, para se dedicar ao ensino. Mas ela prevalece e começa a melhorar significativamente suas notas desde a adolescência. Ela também se torna uma ativista feminista fervorosa e não hesita em se apresentar diante de altos funcionários do sexo masculino para se fazer ouvir e alcançar seus objetivos.

 

Ela pretende estudar Engenharia, mas acaba optando pela Medicina e se forma em julho de 1896 pela Universidade de Roma, tornando-se uma das primeiras mulheres a se formar em Medicina na época. Ela também estudou Antropologia, Filosofia e Psicologia em uma busca científica contínua para descobrir os segredos da Infância.

 

Nessa época, ela conhece aquele que será o grande amor de sua vida e pai de seu único filho, Giuseppe Montesano, um jovem médico que vem de uma família rica de origem judaica. Giuseppe e Maria trabalham juntos há alguns anos, enquanto seu filho, Mario, é enviado para uma governanta que cuidará de sua educação até que o menino se torne um jovem adulto. Seguindo o conselho da mãe, María escondeu a existência daquele filho para se dedicar integralmente à carreira profissional. Portanto, o menino cresceu longe dela e ela conviveu com essa dor, embora o visitasse, lhe desse presentes e o observasse de longe quando ele brincava no pátio da escola, sempre com sua fé inabalável, convencida de que tanto sacrifício lhe daria frutos no futuro e que valeria a pena. 

 

Em 1898, Giuseppe é nomeado diretor do hospital psiquiatrico em Roma. María o acompanha nas primeiras visitas de exame e descobre com horror as terríveis condições em que vivem trancadas as chamadas crianças “oligofrênicas”, ou seja, crianças cuja inteligência não se desenvolveu normalmente e que têm uma grave deficiência cognitiva. Na verdade, o manicômio cobre uma ampla gama de deficiências, pois também inclui cegueira, burrice, epilepsia, autismo ou mesmo demência por desnutrição. Sendo considerados incuráveis, vivem ali trancados pelo resto da vida sem qualquer esperança de um futuro melhor.

 

A partir desse momento, María desenvolverá um forte compromisso social que a levará a considerar as crianças de uma maneira muito diferente. Ela começa a estudar pedagogia e descobre as obras de Pestalozzi, um famoso pedagogo suíço que enfatiza a preparação do professor, a mudança em sua pessoa e o amor pelo trabalho e pelas crianças. Descobre as obras de Édouard Séguin, um pedagogo francês que meio século antes tinha inventado um método de educação especial que tinha dado resultados surpreendentes. Séguin se tornará sua principal referência e María se baseará em seu material didático para desenvolver seu próprio método. Assim como ela, Séguin, por meio de sua obra, pretendia reformar completamente o ensino e a educação.

 

No Congresso Pedagógico de Turim de 1898, Maria Montessori apresentou o trabalho e a proposta de Séguin. Ela quer que eles sejam aplicados na Itália, porque está convencida de que o problema das crianças oligofrênicas tem mais relação com a pedagogia do que com a medicina.

 

Seu método, já conhecido mundialmente como “método Montessori”, se baseia na premissa de que as crianças são suas próprias professoras, que elas se constroem extraindo elementos do ambiente em que se encontram, que só precisam de liberdade de movimento e variedade de opções para escolher.

 

A essência do trabalho é colocar a observação e o estudo da criança antes das ideias do professor, trabalhar os sentidos para depois chegar ao florescimento das ideias. Os materiais didáticos elaborados visam captar a curiosidade da criança e orientá-la pelo desejo de aprender. Podem ser utilizados individualmente ou em grupo e abrangem os seguintes valores: funcional, experimental, estruturante e relacional. Da mesma forma, todas as tarefas são autocorretivas, ou seja, se forem concluídas incorretamente, a criança faz a correção sozinha. Trata-se de encontrar sozinhos as soluções para seus problemas sem que lhes sejam impostas de fora.

 

Um dia ela se surpreende com a resposta de uma criança a quem foi perguntado quem lhe ensinou uma coisa, quando ele diz: “Quem me ensinou? Ninguém me ensinou. Aprendi.” Ela condenava a posição de superioridade do professor que julga e pune sem respeitar a criança. O verdadeiro educador deve observar a criança, caminhar ao lado dela e aprender com ela com respeito e carinho.

 

A partir deste momento, María vai-se dando a conhecer e os seus ideais começam a viajar e a chamar a atenção. Em 1899, cria uma associação para angariar fundos para escolas especiais e ganha um prémio pelo seu trabalho em hospitais, mas dedica toda a sua energia à educação especial; ela fica fica obcecada com as crianças do hospital psiquiátrico e reivindica a observação direta da criança, ela pretende mudar o sistema existente baseado em conceitos equívocos.

 

Sua proposta vai da educação muscular à educação intelectual e, por fim, à educação moral. Seus ideais são muito progressistas e continuamente se chocam com as normas conservadoras. Ela afirma que: “fazer a criança se sentir amada e incentivá-la a amar também é o objetivo de nosso ensino, assim como foi o início”. Do seu ponto de vista, as crianças pobres não atraem a simpatia de seus professores, por isso são ignoradas e, portanto, carecem de qualquer tipo de incentivo.

 

Em 1900, inaugurou a Scuola Magistrale Ortofrenica, cujo funcionamento se baseia no voluntariado. No final do primeiro ano, as crianças mostram o que aprenderam com resultados absolutamente surpreendentes, correspondendo aos resultados escolares das outras crianças. Todos ficam chocados quando alguns alunos até passam no exame na escola pública. As ideias revolucionárias de Maria chamam a atenção, embora poucos realmente queiram ouvi-la. Giuseppe tranquiliza-a: “É preciso tomar nota do que é possível (…), as sementes dão sempre frutos”.

 

Maria decide rapidamente aplicar os ensinamentos de Séguin também às crianças normais, para ver como elas reagem, e em 6 de janeiro de 1907 inaugura a primeira Casa da Criança, que em poucos anos será implantada no mundo inteiro.

 

Séguin só trabalhou com crianças oligofrênicas, no entanto, María também trabalhará com crianças normais que trabalham sozinhas e não precisam de assistência constante, o que levará a Doutora a dar um passo muito grande no campo da mente da criança.

 

Ao mesmo tempo, em 1904, o Istituto Romano di Beni Stabili foi criado para sanear o bairro de San Lorenzo, um dos bairros mais pobres de Roma. Seu diretor, Eduardo Tálamo, pede a María que se encarregue da gestão do projeto de criação de uma rede de creches no bairro. Ela sente que para mudar o mundo é preciso começar de baixo e aceita, mesmo que isso signifique deixar de lado sua carreira acadêmica.

 

Esses são apenas alguns exemplos das muitas empresas, projetos e feitos realizados por essa mulher excepcional. Multifuncional e incansável, seu método é conhecido nos Estados Unidos, na Europa e até na Índia. Com um caráter forte, ela não se impressionou e lutou para que os materiais, os cursos, os treinamentos pelo mundo fossem realizados como ela queria. Ela viajou o mundo todo para ministrar os cursos, dar palestras e explicar sua proposta em primeira pessoa. Ela estava sempre com a preocupação constante de que a essência de sua metodologia fosse mantida e estava sempre alerta contra predadores que apenas olhavam para a fonte de renda que ela representava.

 

Ele nunca se casou, mas em 1º de fevereiro de 1913, poucas semanas após a morte de sua mãe, María recupera seu amado filho que sempre a esperava e, a partir desse momento, Mario compartilhará experiências e viagens com ela e se tornará sua mão direita até o fim de seus dias. Da mesma forma, sempre esteve cercada de fiéis admiradoras e alunas, discípulas que deixaram tudo por ela e que eram as poucas pessoas em quem Maria confiava e delegava seu trabalho.

 

Quando Mussolini entra na cena política em 1922, Maria começa a visitá-lo para convencê-lo a implementar seu método pedagógico nas escolas do país. Depois de vários anos, quando entende que o ditador só quer aproveitar sua fama para transformar as escolas em pequenas fábricas de pequenos fascistas, disciplinados e obedientes, rompe todas as relações com ele e inicia seu exílio no exterior. María já tem pouco mais de 50 anos, mas a experiência da guerra a encoraja a continuar aprofundando seus estudos sobre questões educacionais, convencida de que a educação é o único caminho para construir a paz.

 

Maria Montessori foi nominada três vezes ao Prêmio Nobel da Paz, mas nunca conseguiu, provavelmente devido ao seu passado com o fascismo.

 

Viveu muitos anos na Espanha (Barcelona), na Holanda e na Índia e só retornou à Itália em 1947, onde foi recebida com honras e continuou trabalhando na reorganização das escolas de seu país.

 

Ela morreu em 6 de maio de 1952, aos 82 anos, quando planejava viajar com seu filho para Gana, onde era requisitada para ensinar seu método.

 

Hoje em dia, o método Montessori ainda é conhecido mundialmente, embora seja difícil saber se a metodologia original desenhada por Maria Montessori é realmente aplicada, e também, vale a pena perguntar se cada vez que uma nova escola é inaugurada, ela mantém as portas abertas para todos, mesmo para crianças com poucos recursos como ela fez com tanto amor durante toda a sua vida.

 

Bibliografía:

De Stefano, Cristina. (2020). El niño es el maestro Vida de María Montessori (Lumen).

Fernández, Tomás y Tamaro, Elena. «Biografía de Maria Montessori». En Biografías y Vidas. La enciclopedia biográfica en línea [Internet]. Barcelona, España, 2004. Disponible en https://www.biografiasyvidas.com/biografia/m/montessori.htm [fecha de acceso: 1 de febrero de 2021].

Montessori, María. (s.f.) María Montessori: biografía. En Portal de la educomunicación. Recuperado de https://educomunicacion.es/figuraspedagogia/0_montessori.htm#Mar%C3%ADa_Montessori._Biograf%C3%ADa_

(s.f.) Biografía de María Montessori. En Asociación Montessori Española. Recuperado de http://asociacionmontessori.net/biografia/

Hernández Velasco, Irene. (2020). Método Montessori: la paradójica vida de Maria Montessori, la creadora de un método educativo para niños desfavorecidos que terminó convertido en un sistema para ricos. En BBC News. Recuperado de https://www.bbc.com/mundo/noticias-53949706

Traduzido por Marta Ortega

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Ao usar este site, você concorda com o uso de cookies. Usamos cookies para fornecer a você uma ótima experiência e para ajudar nosso site a funcionar de maneira eficaz, não exibimos anúncios. Temos o compromisso de proteger seus dados de acordo com os requisitos do GRPD. .