Maria do Carmo Sepulveda

Rio de Janeiro, Brasil


  As lições que Jesus legou à humanidade permanecem vivas, e os que buscam diretrizes para o seu aprimoramento moral encontram nelas um roteiro seguro, um guia para enfrentar as difíceis situações que se apresentam cotidianamente. 


  No livro A caminho da luz, do benfeitor Emmanuel, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, registra-se um depoimento de suma importância para os cristãos de todas as épocas: “Se a Boa Nova não se dilatou no curso dos tempos, é porque os pretensos missionários do Cristo não souberam cultivar a flor da vida e da verdade, do amor e da esperança que os seus exemplos implantaram no mundo, abafando-a sob uma falsa religiosidade.”


  Nesse sentido, lembramos: os que abraçam o Cristianismo e acreditam que Nosso Senhor Jesus Cristo veio ao nosso Planeta implantar o Reino de Deus no coração do homem, devem atentar para a prática diária do cultivo dos ensinos que o Divino Jardineiro exemplificou.  


  As suas primeiras lições foram dirigidas ao grupo de discípulos que, convidados a colaborar na divulgação da Boa Nova, se dedicaram, imbuídos de renúncia e sem medir esforços, à tarefa tão sublime para a qual foram chamados. Hoje, somos nós os divulgadores das mensagens do Mestre, e devemos, pois, zelar pelo Evangelho – esse magnífico tesouro de virtudes que enobrece nossos espíritos.


  No conto O sonho do Startsi, de Tolstoi, pela psicografia de Yvonne do Amaral Pereira, há um relato emocionante sobre a vinda de Jesus ao nosso Planeta para vivenciar os valores que alavancam o progresso espiritual do homem. No momento em que as virtudes que acompanham o Cristo aqui chegam para conhecer os habitantes da Terra, ainda ao longe, a avistam e ficam deslumbradas com a beleza exuberante da natureza que a caracteriza e concluem que o homem – ser premiado pelo Criador com um lugar tão especial para habitar – deve ser muito evoluído, para merecer tão grande privilégio. Resolvem acompanhá-lo para confirmar suas suposições, no entanto, voltam, chorando de decepção e tristeza. Dirigem-se a Jesus, relatando as imperfeições dos que vivem no lugar que receberá sua presença luminosa. 


  O Mestre as consola e esclarece, explicando-lhes que o objetivo de sua vinda ao Planeta era, justamente, o de ensinar o amor, a humildade, a esperança, a gratidão, a fé, a paciência, o perdão, a lealdade, o trabalho, a mansidão e todas as demais virtudes, que seriam por Ele exemplificadas em suas ações cotidianas como lições capazes de transformar aqueles corações ainda inexperientes diante da existência. 


  Assim se estampa com cores vibrantes a verdade que liberta a humanidade: o Evangelho de Jesus constitui-se de um buquê de flores perfumadas que embelezam os espíritos. Essas flores raras são as virtudes ensinadas pelo Divino Mestre há mais de dois mil anos e que devem ser cultivadas desde a mais tenra idade, com a ajuda dos pais, aliás, de toda a família, e, simultaneamente, dos evangelizadores que representam hoje os discípulos encarregados de divulgar a mensagem de vida eterna vivida pelo Meigo Nazareno. 


  Por isso, a Evangelização de Crianças e Jovens ocupa um lugar todo especial 

nas Casas Espíritas. 


  Os recados da espiritualidade sobre a importância do Evangelho nos dias de hoje continuam chegando à Terra, e o Irmão Infinito nos presenteou com as mensagens que foram reunidas no livro O jardim do Senhor.  


  Vamos, pois, percorrer algumas de suas páginas, destacando a força transformadora de suas lições, que podem contribuir, nos espaços dedicados à evangelização, para semear os valores tão imprescindíveis à formação do caráter dos que ora iniciam sua jornada evolutiva.


  Na mensagem O mandamento do amor, destacamos a abrangência da virtude que se desdobra em múltiplas pétalas, qual rosa de beleza ímpar: “O amor nascia de Jesus, em forma de perdão, quando exortava Pedro: ‘Até setenta vezes sete’. […] O amor resplandecia em forma de cura, quando o Mestre exclamava: ‘Levanta-te e anda’. […] O amor se concretizava em forma de consolo, quando Ele dizia: ‘Não vos deixarei órfãos’. […] O amor se expressou em forma de humildade, quando lavou os pés de seus discípulos.” 


  Quantas lições a serem cultivadas, buscando o contexto dessas falas para reproduzir as histórias relatadas nos evangelhos! 


  Caminhos do perdão sublinha a força dessa flor libertadora que é capaz de fazer renascer quem a recebe e revigorar quem a oferece. Por meio do perdão, as almas se renovam para viver a leveza da alegria, caminhando sem as cargas da mágoa e do remorso: “O perdão das ofensas, aos erros do próximo e aos próprios erros, foi colocado pelo Mestre Nazareno como princípio essencial ao estabelecimento do Reino de Deus no coração do homem. […] Aprender a mensagem do perdão e vivê-lo a cada dia é uma das metas dos discípulos de Cristo. […] Caminhos sombrios, pedregosos, espinhosos se tornarão iluminadas veredas, ladeadas de canteiros de sempre-vivas alegrias, nas quais riachos cristalinos murmuram cânticos ao Criador, quando as almas, redimidas de seus rancores, se iluminarem com o sol do perdão.”


  No texto Em tudo dai graças, o Irmão Infinito retoma a advertência de Paulo, grande divulgador dos ensinos de Jesus, evidenciando o bem propiciado pelo exercício da gratidão, afirmando: “Em tudo dai graças deve ser lema seguro para os seguidores do Mestre todas as manhãs, quando a luz do sol tocar nossos corpos e iluminar os caminhos escuros, aquecendo os corações gelados pela insegurança e pelos medos que nos atingem, nesse panorama em que vivemos momentos de temor e desesperança[…] Agradeçamos por todas as dádivas que recaem sobre nós, pois, conforme o apóstolo, ‘Todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus’”. 


  Na evangelização de crianças e jovens, muitas atividades devem ser desenvolvidas sobre a importância do trabalho, virtude que eleva o espírito e forja o caráter.


   Entre flores e espinhos ratifica esses conceitos: “Se caminhais hoje à beira do abismo do orgulho e do egoísmo, buscai vos agarrar aos arbustos redentores do trabalho e da humildade que vos estendem os galhos amigos.”


  São inúmeras as lições evangélicas que nos chegam para renovar e fortalecer o coração, quando percorremos passo a passo O Jardim do Senhor, buscando sorver o perfume e desfrutar da beleza das flores raras plantadas em nosso Planeta pelo meigo Rabi da Galileia. 


  Que possamos, como administradores fiéis, multiplicar os nossos talentos para zelar por elas, resguardando-as em toda a sua pureza, para que cresçam viçosas nas sementeiras do Criador. 


Maria do Carmo Sepúlveda como professora de língua portuguesa, dedicou-se ao estudo da literatura, com ênfase no incentivo à formação de leitores. Palestrante espírita, busca inspiração no Evangelho de Jesus que sempre norteou a sua vida.

 


Leave a Reply

Your email address will not be published.