As crianças podem compreender facilmente a importância da oração e se dedicar a ela desde cedo. Por meio dessas atividades positivas e da prática consistente, crianças podem perceber o benefício de orar por si mesmas e estender suas orações ao próximo.

por Bernadete F. Leal

Objetivo: Orientar as crianças a entender e praticar a oração pelos outros.

Idade: 3 +

Mensagem inspiradora:

 O que Deus lhe concederá sempre, se ele o pedir com confiança, é a coragem, a paciência, a resignação. Também lhe concederá os meios de se tirar por si mesmo das dificuldades, mediante ideias que fará lhe sugiram os bons Espíritos, deixando-lhe dessa forma o mérito da ação. Ele assiste os que se ajudam a si mesmos, de conformidade com esta máxima: “Ajuda-te, que o céu te ajudará”” ( O Evangelho segundo o Espiritismo > Capítulo XXVII — item 7)

Introdução: 

Criar o hábito da oração é sempre benéfico e pode começar cedo na vida de uma criança. Embora seja natural que as crianças inicialmente se concentrem em seus desejos ao orar, os pais e educadores desempenham um papel vital em orientá-las. Por meio de exemplos positivos e prática consistente, elas podem entender o valor de orar por si mesmas e estender suas orações ao próximo. 

Aqui estão algumas sugestões para incentivar essa prática:

1. Lista de oração

Crie uma lista de oração com nomes de pessoas pelas quais você e seu filho possam orar juntos. Inclua membros da família, amigos, pessoas doentes e necessitadas. Todos os dias, selecione um nome da lista para orar. Você pode escrever os nomes em tiras de papel ou em palitos de picolé e colocá-los em um pote. Essa abordagem interativa pode tornar a experiência de oração mais envolvente e significativa para você e seu filho.

2. Oração antes das refeições

Incorpore uma oração antes de cada refeição com sua família, na qual você modela a oração pelas pessoas envolvidas na preparação das refeições. Reserve um momento para expressar gratidão por aqueles que prepararam os alimentos, bem como por aqueles que tornaram isso possível, como os agricultores, os trabalhadores da indústria alimentícia e aqueles que contribuem no supermercado. Essa prática ensina as crianças sobre apreciação e empatia e as ajuda a desenvolver uma consciência mais ampla da interconexão e do esforço por trás das refeições que elas apreciam.

3. Orando juntos

Ore em voz alta para dar o exemplo e permitir que seu filho observe o ato da prece. Se o seu filho for muito pequeno para orar independentemente, você pode assumir a liderança e convidá-lo a repetir suas palavras depois de você. Ao orarem juntos, você ensina ao seu filho a importância da oração e cria uma experiência de união em que ambos podem expressar seus pensamentos, esperanças e gratidão a Deus. Essa prática ajuda a incutir o hábito da oração e incentiva seu filho a desenvolver o vínculo com a espiritualidade à medida que ele cresce.

4. Momentos de aprendizado

Aproveite os momentos de aprendizado e use estas oportunidades para orar. Por exemplo, quando você ou seu filho virem alguém sem teto ou necessitado, use esse momento para convidá-lo a fazer uma oração juntos. Incentive-os a expressar sua compaixão e empatia por meio da oração, reconhecendo que simplesmente sentir pena de alguém não é suficiente. Ao orar pelos necessitados, você ensina a seu filho o poder da oração em oferecer apoio, conforto e esperança aos outros. Isso também reforça a importância de agir e demonstrar bondade para com aqueles menos afortunados.

5. Oração dos Cinco Dedos

A Oração dos Cinco Dedos, também conhecida como Oração do Papa Francisco, é uma bela ferramenta que pais e educadores espirituais têm usado para orientar as crianças a orar pelos outros. Cada dedo representa um grupo específico de pessoas pelas quais se deve orar. 

  1. O polegar é um lembrete para orar pela família e pelos amigos, expressando gratidão pela presença deles em nossas vidas. 
  2. O dedo indicador é para orar pelos pais e professores, reconhecendo sua orientação e apoio. 
  3. O dedo médio representa os líderes, pedindo que oremos por sabedoria e orientação em suas decisões. 
  4. O dedo anular é para os pobres e doentes, enfatizando a importância da compaixão e da empatia para com os necessitados. 
  5. O dedo mindinho, por ser o menor, serve como um lembrete para orarmos por nós mesmos, reconhecermos nossas próprias necessidades e buscarmos orientação e força. 

Essa técnica de oração simples e visual ajuda as crianças a se lembrarem de incluir outras pessoas em suas orações e promove um espírito de compaixão e solidariedade.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Ao usar este site, você concorda com o uso de cookies. Usamos cookies para fornecer a você uma ótima experiência e para ajudar nosso site a funcionar de maneira eficaz, não exibimos anúncios. Temos o compromisso de proteger seus dados de acordo com os requisitos do GRPD. .