TESTEMUNHO

 Vivendo com Alguém com Depressão

 

Acordei. Outro dia começava e logo teria que ir trabalhar.  Olhei para o lado. Dei-lhe um beijo no rosto desejando um bom dia, mas não tive nenhuma reação. Estava acordado. Olhei para seu peito movimentando. “Obrigada, Senhor, ele está vivo,” pensei. 

 

Era assim toda manhã. Não importava as palavras de amor, o carinho, meu sorriso, ou uma canção. Não se mexia. Passava o dia inteiro na cama, num quarto escuro. Às vezes escutava um gemido quase sem vida, que tentava decifrar se era uma palavra. Estaria pedindo ajuda?  Era uma luta constante antes de sair para o trabalho. Meu coração batendo rápido e preocupado, não sabia o que fazer. Tinha medo de deixá-lo sozinho. Desde que perdera seu emprego, não era mais o mesmo. 

 

Vou para a sala, e de joelhos oro com fé, lágrimas nos olhos a correr. Leio uma passagem do Evangelho Segundo o Espiritismo e aos poucos me sinto melhor. Lembro da frase do Chico, “Todas as coisas na Terra passam, os dias de dificuldade passarão.”  Sim, com certeza passarão, mas naquele momento um segundo era uma eternidade. 

 

Às vezes olhava em seus olhos e via sua dor, um olhar distante como se estivesse numa gruta escura. Se encontrava em uma caverna interna que eu não tinha acesso e não conseguia trazer a luz, embora os meus esforços.  O que fazer então? Orar, orar, e orar. 

 

No trabalho, o celular toca.

– Alo? 

– Tem uma ambulância na porta da sua casa, diz o vizinho.

– O que aconteceu? 

– Não sei bem, mas o estão levando para o hospital. 

 

Coração dispara quase saindo pela boca. Corro para o hospital, dirigindo rápido com milhões de pensamentos na cabeça.

 

Lá, o encontro numa cama. Aproximo devagar tentando adivinhar o que aconteceu tocando levemente sua mão. Uma marca vermelha cravada ao redor do pescoço, logo vejo, e me dá um nó na boca do estômago. Olho para ele meio assustada com lágrimas nos olhos.

 

– Minha vida não tem mais sentido, diz ele meio envergonhado e aos poucos começa a relatar os detalhes do seu dia que culminou com uma corda no pescoço.

 

Este foi um de muitos momentos que passei com ele por anos. Foram terapias, clínicas, internações, medicações que ajudaram, passes e muita oração. Viver com alguém que você ama e sofre de depressão não é fácil. É uma constante doação de amor e sacrifício. 

 

Foram anos de luta numa briga com a depressão: queria entender a depressão, queria acabar com a depressão. Mas ela é danada, persistente.  Estava de braços dados com a pessoa que eu amava. Tentei despejá-la! “Vai embora, sua malvada, aqui não tem lugar pra você!” Mas ela ignorava minhas ordens e continuava firme. Tinha que ser esperta e vigiar meus pensamentos pois às vezes ela queria de mansinho também me abraçar, principalmente nos momentos de fraqueza e que não tinha muita força para ajudar. 

 

“Como você aguenta?” muitos perguntavam.

 

E sempre respondia: “O Espiritismo, meus amigos, o Espiritismo!” Tinha consciência das causas dos sofrimentos e desafios da vida e a certeza de que não estava sozinha. O conhecimento espírita me dava entendimento e forças para continuar a cada dia. 

 

Outros ficavam surpresos quando me viam sorrindo. “Como você pode sorrir, quando tudo está na contramão?” E eu dizia: “Sofrimento, sim, mas  pessoa infeliz, não!”

 

Mensagens psicografadas chegavam a mim, me dando esperança e encorajando a não desistir da luta, lembrando-me do crescimento e a importância do que estava passando.

 

Nos momentos de desespero, ouvia no meu íntimo uma voz suave me dizendo, “Calma, filha. Tenha fé. Tudo passará.”  E pensava comigo mesma, “Pois é Chico, poderia ser pior. Pelo menos eu não tenho que lamber ferida na perna de ninguém,” e sorria lembrando da história da vida de Chico Xavier que li tantas vezes e que me confortava.

 

Quando desabafava, relatando os desafios que vivia, alguns diziam, “Vai, minha amiga, deixa-o, vai embora!” Mas a voz dos mentores espirituais dizia: “Vai, minha amiga, vai e ama!”  É tão fácil amar quando tudo é um lindo mar de rosas. Mas e nos momentos difíceis?

 

Se tudo passou? Ainda não, mas muito passou e muito melhorou. Temos que respeitar o tempo de Deus. Sou mais forte, tenho mais compreensão e compaixão principalmente para com aqueles que sofrem de depressão. Aprendi a ser um exemplo de esperança e de alegria.

 

Portanto, você que está lendo esta história e que por acaso vive com alguém com depressão,  respire e calma. Tenha fé e ore. Nosso Pai não abandona seus filhos. Temos amigos nesta vida e no plano espiritual! E sim, em seu devido tempo, tudo passará. 

 

Então ame, e também SE AME, dedicando alguns momentos para você, pois um copo vazio não pode saciar a sede de ninguém.

 

Jesus, os ensinamentos espíritas e o amor são bálsamos de água cristalina que acalma, consola, dá forças e alivia a dor!

 

Boa sorte e muita paz!

 

Bernadete F. Leal, Mestra em Educação, é professora na Califórnia, EUA. Ela tem colaborado com a disseminação do Espiritismo nos Estados Unidos há mais de 25 anos com artigos, vídeos, palestras e workshops.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.